Mathema Mathema

Contação de histórias na Educação Infantil

Por Escrito em: 18/06/2021
Compartilhe nas suas redes: [addtoany]

A contação de histórias na Educação Infantil é uma forma lúdica de transmissão de conhecimentos e um poderoso estímulo à imaginação. Por meio dela, é possível estimular o desenvolvimento cognitivo e socioemocional das crianças.

Além disso, é importante promover experiências nas quais as crianças possam falar e ouvir, potencializando sua participação na cultura oral, pois é na escuta de histórias, na participação em conversas, nas descrições, nas narrativas elaboradas individualmente ou em grupo e nas implicações com as múltiplas linguagens que a criança se constitui ativamente como sujeito singular e pertencente a um grupo social.

Desde cedo, a criança manifesta curiosidade com relação à cultura escrita: ao ouvir e acompanhar a leitura de textos, ao observar os muitos textos que circulam no contexto familiar, comunitário e escolar, ela vai construindo sua concepção de língua escrita, reconhecendo diferentes usos sociais da escrita, dos gêneros, suportes e portadores.

Na Educação Infantil, a imersão na cultura escrita deve partir do que as crianças conhecem e das curiosidades que deixam transparecer.

As experiências com a literatura infantil, propostas pelo educador, mediador entre os textos e as crianças, contribuem para o desenvolvimento do gosto pela leitura, do estímulo à imaginação e da ampliação do conhecimento de mundo. O contato com histórias, contos, fábulas, poemas, cordéis etc. propicia a familiaridade com livros, com diferentes gêneros literários, a diferenciação entre ilustrações e escrita, a aprendizagem da direção da escrita e as formas corretas de manipulação de livros.

Nesse convívio com textos escritos, as crianças vão construindo hipóteses sobre a escrita que se revelam, inicialmente, em rabiscos e garatujas e, à medida que vão conhecendo letras, em escritas espontâneas, não convencionais, mas já indicativas da compreensão da escrita como sistema de representação da língua.

Além de ser uma atividade muito prazerosa, a contação de histórias promove uma maior compreensão do mundo ao seu redor e, além disso, facilita as interações e até a compreensão das próprias emoções.

Neste artigo vamos mostrar a você qual é a importância da contação de história na Educação Infantil e como a sua escola pode adotar essa ideia. Acompanhe!

Qual a importância da contação de história na Educação Infantil?

A contação de história favorece o desenvolvimento socioemocional, cognitivo e físico das crianças. Dentro da Educação Infantil, ela permite que haja:

  • Transmissão cultural: por meio da oralidade, é possível conhecer outras gerações, a fim de manter vivas as tradições e os costumes criados ao longo da história.
  • Associação de vivências: durante a contação de história, a criança começa a associar aquela narrativa com as suas vivências diárias. Assim, elas conseguem aprender a lidar com diferentes situações, conflitos e emoções. Sem contar que ajuda a resgatar as memórias afetivas.
  • Incentivo à leitura: a leitura amplia o vocabulário das crianças, estimula a imaginação, curiosidade e a criatividade. Crianças que ouvem histórias desde cedo tendem a ter bons hábitos de leitura.
  • Conhecimento de diferentes linguagens: a criança terá contato com diferentes linguagens, o que possibilita o estímulo do imaginário e auxilia na interpretação textual.

Como colocar a contação de história em prática?

Saber como colocar em prática a contação de histórias na educação infantil é fundamental para ter sucesso no desenvolvimento escolar das crianças. A seguir, apresentamos os principais passos para colocar essa atividade em prática na sua instituição de ensino. Veja!

Escolha um espaço adequado

O ambiente da contação de história precisa ser tranquilo e aconchegante. Se o professor optar por fazer em um ambiente externo, é importante se certificar de que não haverá elementos que contribuem para a distração das crianças.

Faça uma seleção de boas histórias

Analise as preferências das crianças na escolha de selecionar suas histórias e leve em consideração também a faixa etária delas. É interessante que o professor construa um banco de histórias para ter sempre à sua disposição diferentes opções para escolher de acordo com o seu público.

 

Separe os materiais de apoio

Para tornar a história mais atrativa para as crianças é importante contar com materiais de apoio que estimulem a imaginação e a fantasia e permitam que as crianças demonstrem seus sentimentos.

De preferência, é interessante que esses materiais sejam coloridos. Use fantoches e outros acessórios para tornar a contação de histórias mais divertida e interessante.

Faça uso das expressões corporais

Corpo e voz são indispensáveis para uma boa contação de história na Educação Infantil. As expressões corporais ajudam a trazer vida à história, dando forma à narrativa a fim de que ela faça sentido para a criança.

Como o Programa Ciranda pode ajudar nesse momento?

O Programa Ciranda oferece livros de leitura para tornar a contação de histórias na Educação Infantil muito mais divertida, simples e eficiente.

São dois os objetivos principais no trabalho com os livros de leitura. O primeiro diz respeito à formação do leitor, considerando as habilidades e os procedimentos necessários para a escolha do livro, para perceber preferências, participar das rodas de leitura, opinar sobre o que leu, indicando o livro ou não.

Já o segundo está relacionado às competências socioemocionais, uma vez que os contos possibilitam conhecer a si mesmo, aos outros, pensar sobre as relações humanas, com o ambiente, sobre os medos, angústias que são próprias do ser humano.

Nesse sentido, priorizamos as práticas de leitura e de oralidade no trabalho com os livros. A ideia é que as crianças não fiquem produzindo fichas, registros, mas que possam, de fato, ler para conhecer, para encartar-se e para aprender a ler e a conversar sobre o que leu.

Talvez, a ausência de fichas/registros dê a impressão de que há pouca exploração, mas nesse caso, a exploração deve ser mesmo na leitura e na oralidade, da conversa sobre as personagens, sobre os conflitos para que eles se percebam como sujeitos de processo de formação tão complexo.

Inclusive, há teóricos que defendem o “não desenhar” uma parte da história ou coisa parecida, pois limitamos a compreensão do texto como um todo, reduzindo-o a um registro que não permite a criança dialogar consigo mesma.

 

Quer que o Programa Ciranda faça parte da sua escola? Entre em contato conosco agora mesmo e saiba como podemos ajudar você a melhorar a qualidade do ensino da sua instituição

 

Conta pra gente: qual sua opinião sobre esse texto?

Todos os campos devem ser preenchidos.
Seu e-mail não será publicado.

s
X