Mathema Mathema
Calculadora para cálculos matemáticos

Ensinando números com a calculadora

Por , Escrito em: 29/05/2019 | Atualizado em 27/09/2019
Compartilhe nas suas redes:

Objetivos

  • Ler, escrever, comparar e ordenar números naturais pela compreensão das características do Sistema de Numeração Decimal;
  • Produzir escritas numéricas reconhecendo o valor posicional da unidade, dezena, centena e unidade de milhar;
  • Compor e decompor números naturais;
  • Interpretar, produzir e comparar escritas numéricas;
  • Resolver problemas que envolvam a análise do valor de um algarismo conforme a posição que ocupa em um número;
  • Utilizar as propriedades aditivas e multiplicativas do sistema de numeração posicional decimal para resolver problemas que envolvam compor e decompor números.

Recomendação

Alunos a partir do 3º ano

Organizado por

Cristiane Chica, gestora pedagógica do Mathema
Mirela Mendes, coordenadora de formação continuada do Mathema

Regras

Aprender a dominar diferentes estratégias de cálculo, conhecer os limites de cada recurso e, por fim, decidir-se pela utilização da calculadora é uma das metas da educação matemática nos anos iniciais do ensino fundamental. Nesta sequência pretendemos mostrar uma possibilidade do uso da calculadora como recurso didático para auxiliar os alunos a desenvolverem habilidades de cálculo.

 

1ª etapa – Conhecendo a calculadora

 

Entregue uma calculadora para cada aluno e deixe que eles a explorem; converse com os alunos a respeito de cada uma das teclas e suas funções.

Depois dessa primeira exploração, proponha algumas atividades simples como:

  • Alguém sabe como ligamos a calculadora? Informe que a tecla ON é a tecla que liga a calculadora e a tecla OFF é a que desliga.
  • Digitem o 1 na calculadora. Agora, sem apertar nenhuma tecla respondam o que aparecerá se digitarmos o 6? Ouça as respostas dos alunos e peça para teclarem o 6 e ver o que aparece no visor.
  • Se alguém disser que aparecerá o número 61, problematize: que teclas precisamos apertar para aparecer o número 61? Vamos fazer isso?
  • E se quero escrever 75 (colocar na lousa) quais teclas devemos apertar? Qual apertamos primeiro?
  • Vocês sabem qual é a tecla da adição? E a de igual? Perguntar de todos os sinais.

Se os alunos perguntarem para que servem as outras teclas da calculadora, diga a eles que são teclas de memória e servem para guardar números e resultados de cálculos dentro da calculadora.

Deixe os alunos explorarem livremente e, ao final da atividade, escrevam no quadro um texto coletivo das descobertas dos alunos a respeito da calculadora.

 

2ª etapa – Experiências com a calculadora 

 

Organize os alunos em duplas e entregue uma calculadora para cada. Dite um número e peça que digitem na calculadora. Depois pergunte aos alunos o que precisarão fazer para que apareça um zero no lugar de um dos algarismos que constituem o número.

Se você sentir necessidade, escreva o número ditado na lousa e o que deverá aparecer no visor da calculadora. Por exemplo: digitem na calculadora o número 459, sem apagá-lo, pensem que teclas vocês deverão apertar para que apareça o número 409. Enfatize que não podem apagar o 459.

Oriente os alunos para que não digam a resposta em voz alta e que anotem as teclas que vão apertando para depois poder reconstruir o que fizeram.

Provavelmente nessa primeira situação proposta, os alunos operarão por ensaio e erro. Por exemplo, para transformar 459 em 409, possivelmente apertarão as teclas – , 5, =. Feito isso, o número que aparecerá no visor é o 454 e não o 409 solicitado. Dessa forma, podem rever seu procedimento e tentar com outros números, e provavelmente experimentarão o 50.

Após cada situação, é importante propor a discussão coletiva, perguntando como os alunos decidiram realizar essa operação. Provavelmente, os argumentos deles estarão baseados exclusivamente na numeração falada, por exemplo: “Era quatrocentos e cinquenta e nove. Então, tirei o cinquenta”. Se derem outra justificativa, discuta com a sala o valor posicional do algarismo que você pediu que fosse trocado.

Em seguida, peça que apertem AC ou ON/C para apagarem as operações anteriores e dite um novo número, por exemplo, 472. Peça para que, sem apagá-lo, transforme-o em 402. Proponha que discutam com os colegas o que será necessário fazer para que ocorra a transformação. Oriente-os a combinarem e anotarem no caderno quais ordens deverão dar para a calculadora antes de realizar as próximas operações.

Repita a atividade com outros números para modificarem outras ordens também.

 

3ª etapa – Aprofundando os conhecimentos

 

Mantenha o mesmo tipo de proposta da etapa anterior, variando os números. Alterne a grandeza numérica (números de dois, três e quatro algarismos) e o lugar onde deverá aparecer o zero (na unidade, na dezena, na centena, na unidade de milhar). Por exemplo:

Digitem na calculadora os números da primeira coluna (um por vez) e, sem apagá-lo, transforme-o no número da segunda coluna:

  • Transforme 34 em 30;
  • Transforme 432 em 402;
  • Transforme 9354 em 9054;
  • Transforme 345 em 45;
  • Transforme 6275 em 6075

Em cada uma das propostas peça que os alunos expliquem o que foi preciso fazer para conseguirem esse tipo de transformação. Anote as explicações num cartaz para que possam retomar posteriormente, em forma de lista coletiva. Esse é o momento de organizar as aprendizagens dos alunos e socializar descobertas distintas entre eles.

 

Quer aprofundar seus conhecimentos?

Conheça o curso “Recursos para Aprender e Ensinar o Sistema de Numeração Decimal”.

Conta pra gente: qual sua opinião sobre esse texto?

Todos os campos devem ser preenchidos.
Seu e-mail não será publicado.

X